segunda-feira, 20 de abril de 2015

Hoje vamos utilizar nosso blog para fazer uma denúncia e manifestar apoio à mais uma vítima do machismo. Acompanhamos pelo Facebook a denúncia de um caso de assédio, e pedimos permissão à vítima para falar sobre o caso aqui. Vamos preservar todos os nomes, em pedido da vítima, que teme sofrer retaliações justamente porque a denúncia envolve pessoas do trabalho.

A fala da vítima:

Recentemente recebi uma mensagem pornografica que julguei ser equivocada, pois nunca havia dado qualquer espaço de conversa para a pessoa em questão, então achei que fosse a janela errada.O sujeito em questão é adulta e ciente de seus atos. Publiquei algo a respeito, pq hoje, logo pela manhã, a pessoa enviou uma mensagem se desculpando, mas logo mostrou que não se arrependeu, pois quis iniciar uma outra conversa. Finalizei, excluí e só resolvi falar pq infelizmente isso não é um fato isolado. De vez em quando gente que nem conheço, que me vê comentando em post de amigos, deixa alguma msg, seja ela de "olá", até aí tudo normal, ou umas coisas desagradáveis como "delícia, vc..."

Não considero tais abordagens um elogio, não irei naturalizar e sim, ficarei ofendida com investidas sexuais. 
Não vou considerar normal abrir minha caixa de mensagens e ler o texto de alguém narrando suas fantasias e despejando bobagens,pq simplesmente se acha no direito de tentar a sorte. No referido print a pessoa chega do nada, me chama de exagerada e começa a me ensinar o português que ela diz ser claro. Não sou obrigada a aprender essa linguagem. 
"Ah, foi um elogio! Pq vc ficou ofendida?"
"Vc tá sozinha mesmo... O cara tentou a sorte...


Além disso, a vítima mostrou imagens de uma pessoa próxima tentando invalidar sua denúncia, e justificar a atitude do agressor:


























As pessoas ainda acreditam que quando uma mulher é assediada ela só tem que levantar as mão pro céu e agradecer, porque afinal de contas alguém lhe quer e sua missão na terra, de ser um ser a disposição do interesse masculino, foi cumprida. 


E não, essa visão de que é 'apenas uma investida, vida que segue, deixa isso pra lá', não nos contempla. Cada uma sabe do seu limite, e o que pode ser assédio pra mim, pode não ser assédio para outras, por conta de inúmeros fatores de reprodução cultural, mas se eu digo que me senti assediada e agredida por tal investida não deslegitime a minha denuncia nem a denúncia da amiga. 
Em toda nossa vida, fomos descritas e ditas pelos outros, nosso comportamento ditado e regulado pelos outros, hoje, se temos o minimo poder de nos dizer e nos anunciar, estamos aqui fazendo justamente isso, dizendo que flertar é diferente de assediar, sobretudo se eu não der brecha pra isso, e não é um elogio. E eu nem nenhuma mulher deveria se sentir feliz quando recebe uma cantada canalha, e ser objetificada não nos faz sentir especial.


O assédio é mais uma das estratégias do patriarcado para colocar as mulheres do lugar de frágil. É uma nítida forma de intimidação. O macho pode falar o que quiser pra uma mulher, e se ela reclamar está sendo histérica, não sabe ouvir um elogio. Não vamos nos calar, não vamos aceitar que objetifiquem nosso corpo, que nos intimidem e nos excluam dos espaços públicos! Vamos resistir, por nós e por todas.

Meça suas palavras, e respeite as mina!
Reações:

0 comentários: