terça-feira, 21 de janeiro de 2014


                Olá personas, como vai a vida? Sua vulta também tá fritando nesse calor? A nossa pegou fogo mas é só aparecer um boy magia que ela renasce das cinzas.

                 Se você não está por fora do que acontece no Rio de Shaneiro, sabe dos absurdos que envolvem o governo do Cabral. E eis que de repente, chega até nós a notícia de que essa criatura aprovou um projeto de lei de autoria da deputada Myriam Rios.
                Bem, só de falar o nome da dita cuja aposto que seus pelos da nuca ficaram eriçados, e deu uma vontade de leve de gritar. Pra quem não se lembra, a mesma deputada insinuou que a homossexualidade está ligada à pedofilia. Isso mesmo, amigue, ela quis dizer que as guei e as sapa tudo são pedófilos. Veja o vídeo (se tiver estômago forte):



                Pois bem, projeto de lei vindo desse demo não deve ser coisa boa. E não é. A lei foi criada para resgatar os valores morais e os bons costumes. Má que merda é essa?

                A própria explica um cadinho no projeto: ““infelizmente, a sociedade de uma maneira geral vem cada dia mais se desvencilhando dos valores morais, sociais, éticos e espirituais (…) Sem esse tipo de valor, tudo é permitido, se perde o conceito do bom e ruim, do certo e errado. Perde-se o critério do que se pode e deve fazer ou o que não se pode”. 

                Parece bonito, parece caridoso, mas é pura baboseira reacionária. Gente esse papo de moral e bons costumes sempre é usado para combater as mudanças sociais. Foi o mesmo discurso usado contra o divórcio, contra a pílula anticoncepcional, libertação escrava, etc. E hoje é usado contra os direitos das pessoas gays, lésbicas e trans principalmente. 

                O medo da dona Myriam é que seja considerado normal que dois homens se casem, ou que duas
mulheres demonstrem carinho publicamente, ou ainda que uma pessoa rompa a barreira binária de gênero e possa ser reconhecida livremente com o gênero que se identifica, ou com nenhum dos dois. Ela tem medinho de que a sociedade caminhe pra se livrar dos preconceitos e discriminações. E por que ela tem medo?

                Por que nesse mundo utópico onde todxs podemos ser aquilo que sentimos e queremos ser, o discurso de ódio dela não vai ter mais serventia. O discurso falacioso dos fanáticos religiosos que extorquem as pessoas, que luta para impedir direitos fundamentais para parcelas marginalizadas da sociedade será ridicularizado. No mundo que queremos (e lutamos para se tornar realidade), essas pessoas não encontrarão espaço na mídia para propagar o ódio e a violência. Não terão como enriquecer as custas da fé e do sofrimento alheio.

                Então, dona Myriam, pode esbravejar aí contra as mudanças conquistadas a custo de muita dor e sangue. Enquanto isso nós estaremos sambando na cara da sociedade patriarcal.


Reações:

0 comentários: