terça-feira, 29 de maio de 2012



                 No último sábado, dia 26/05/2012, aconteceram em várias cidades do Brasil, simultaneamente, a marcha das vadias. Você pode se perguntar: que bagaça é essa?

Como surgiu?

Fotógrafo: Augusto Dauster Pontual
No Canadá, em janeiro de 2011, aconteceram diversos casos de abuso sexual na Universidade de Toronto. Um policial de lá (que parece não ser muito diferente dos daqui) deu uma declaração dizendo que as mulheres poderiam evitar esses ataques se não se vestissem como vadias. Exatamente menines, ele quis dizer que a culpa pelo estupro é da mulher!

Ok, mas se as mulheres não se vestissem com roupas curtas, elas não seriam estupradas, correto?

ERRADÉZIMO. O Afeganistão é considerado um dos países em que a mulher mais sofre violências sexuais. E, PASMEM, lá as mulheres usam a famosa burca! Aquela roupitcha básica que cobre o corpo inteiro e só deixa os olhinhos de fora. Se roupa curta fosse um convite para o estuprador, a burca então deveria ser um aviso dizendo: CAI FORA! Mas não é bem assim. Estatísticas recentes mostram que uma mulher é estuprada a cada 6 minutos no mundo.

Bem, mas a mulher deve se dar ao respeito! Usar roupas vulgares a deixa vulnerável a esse tipo de coisa.

           Amigue se você pensa assim, então deve achar que um homem andando sem camisa está implorando pra ser estuprado.
Fotógrafo: Augusto Dauster Pontual
Nossa sociedade ainda é extremamente machista em diversos aspectos. As mulheres continuam a receber salários menores do que os homens, mesmo exercendo a mesma função. São vítimas de violência doméstica por seus familiares e maridos. Não tem direito ao aborto em caso de gravidez indesejada. Isso apenas para citar alguns exemplos. Todos esses problemas contribuem para a desvalorização da mulher. E isso tem tudo a ver com a roupa! O que é vulgar é o nosso olhar. Por que uma saia curta é considerada vulgar? Em que sentido essa peça diminui a pessoa que está usando?
                Nenhuma vítima é culpada de um estupro. Mesmo que uma mulher esteja completamente nua, isso não dá o direito de NINGUÉM tocar em seu corpo sem sua permissão.

Fotógrafo: Augusto Dauster Pontual

O que mais envolve?


Além desse protesto contra a violência sexual, a marcha das vadias carrega em si um grito pela liberdade sexual e comportamental! Por que ainda existe a concepção de que uma mulher que transa com quem deseja é uma vagabunda? Essa castração sexual feminina precisa ter fim. Se um homem transa com várias mulheres, a sociedade o felicita. Se uma mulher transa com vários homens, a sociedade lhe dá rótulos negativos, a marginaliza, a insulta e diminui. Todos temos liberdade sobre nosso corpo, e isso diz respeito a sexo, a roupa, a modo de agir e de pensar.




Vulva Fúscia é completamente contra qualquer forma de opressão! Lutar por igualdade é desejar uma sociedade onde tod@s possam ser livres e onde ninguém sofra por agir e pensar da forma que deseja!
                 
Reações:

0 comentários: